Central de Vendas:

(19) 3231 1820

(19) 98103-0418

Atendimento via Whatsap

Toque para acessar

Corretora de Seguros em Campinas

Central de Vendas:

(19) 3231 1820

DICAS QUE AJUDAM A ESCOLHER UM PLANO DE SAÚDE

Você tem ou pretende ter filhos?
Se você é uma mulher que considera a possibilidade de engravidar ou se você e sua esposa pretendem ter filhos, é conveniente contar com um Plano cuja a cobertura seja Ambulatorial + Hospitalar com obstétrica.

Caso seja necessária uma internação em hospital, prefere que você ou um dependente seu fique acomodado em quarto particular ou pode ser em enfermaria?
Quando o plano de saúde inclui cobertura para internação em hospitalar, ela pode ser feita em enfermaria ou em quarto particular. Na enfermaria, o paciente fica internado em um mesmo ambiente que outros doentes e costuma ter horários mais restritos para visitas. Em compensação, o preço do plano de saúde tende a ser mais econômico. No caso da cobertura para internação em quarto particular, o paciente contará com um apartamento separado, um horário mais flexível para visitas e com a possibilidade de ser ou não acompanhado por um parente, de acordo com o que estiver estabelecido no contrato do plano a respeito de acompanhante.

Obs.: Para menores de idade e idosos, pode ficar acompanhante. Porém se a cobertura do plano é para enfermaria, ficará o acompanhante em uma cadeira.

Você e sua família querem contar com atendimento odontológico?
Há planos de saúde dental específicos só para tratamentos dentários e outros que incluem esse tipo de tratamento, além dos tratamentos médicos.

Você e seus familiares viajam com frequência? Para vocês é importante ter assistência em todo o país ou apenas na cidade ou estado onde moram? E no exterior?
Se vocês não costumam viajar, um plano de saúde com abrangência geográfica municipal ou grupo de municípios pode ser uma boa opção. Se viajam com frequência, dependendo dos lugares para onde viajam, talvez seja mais adequado considerar um plano de saúde com abrangência geográfica em grupos de estados, nacional ou até no exterior.

Que profissionais da área médica, clínicas, laboratórios e hospitais atendem pelo plano de saúde que você pretende contratar? Eles atendem em locais perto de sua casa ou de seu trabalho?
Conhecer a rede credenciada do plano de saúde permitirá que você avalie se a qualidade e a localização dos serviços oferecidos pelo plano são adequadas ao que você deseja.

Plano de Saúde Completo ou Coparticipativo?

Para facilitar a adesão a um plano de saúde, decidimos criar algumas dicas para contratação de plano de saúde, atendendo o perfil de cada pessoa.

Uma das questões que requer maior atenção é decidir em fazer o plano de saúde completo ou coparticipativo. O plano de saúde coparticipativo no papel sempre é a melhor opção, porém a realidade nem sempre é essa. Podem ocorrer dois fatores para criar insatisfação.

Utilizar o plano de saúde e não ter condições de pagar a fatura, devido ao acréscimo decorrente da coparticipação, ou pagar e ter um desequilíbrio financeiro.
Deixar de utilizar o plano de saúde, receoso do pagamento das coparticipações.

Antes de decidir, faça uma pesquisa de mercado, existem muitos planos de saúde completos, com preço similar a um plano coparticipativo de outros planos de saúde.

Na hora de decidir em fazer um plano de saúde, a maioria das pessoas decide pelo o menor valor, sendo que, pagar menos nem sempre é sinal de economia.

Vários planos de saúde possuem opção de plano completo e coparticipavos, sendo que os planos coparticipavo são mais em conta, porém são cobrados copartipações em todos os procedimentos realizados.

Os planos de saúde atualmente cobram coparticipação em todos os procedimentos, divididos da seguinte maneira; consultas médicas (todas especialidades), exames simples, exames especializados e internações.

Consultas médicas: Será cobrado o valor por consulta, lembrando que o retorno no prazo de 30 dias não deverá ser cobrado coparticipação.

Exames simples: Os exames simples são os que requerem maior atenção, lembrando que os exames simples são cobrados por exame e não por coleta, se você fizer uma coleta de sangue, isso não quer dizer que irá pagar o valor referente a um exame, através de uma coleta poderá ser feito vários tipos de exames, como por exemplo: hemograma, triglicerídeos, Colesterol, Glicose, TSH, etc. Geralmente em um check-up básico é necessário fazer em torno de 10 a 15 exames simples.

Exames especializados: Os exames especializados são cobrados por exame e fica mais fácil controlar, caso precise, por exemplo, de uma tomografia computadorizada, será cobrado o valor referente a um exame especializado.

Internações: É o mesmo caso do exame especializado, será cobrado o valor da coparticipação referente da internação, indiferente se a internação for de um dia ou dez dias. Os exames realizados em regime de internação não serão cobrados a coparticipação.

Há limites para a coparticipação?
A legislação determina que co-participação não poderá caracterizar o financiamento integral do procedimento. Destaca-se que nos casos de internação, a co-participação deverá ter valor prefixado que não poderá sofrer indexação por procedimentos ou patologias.

Além da coparticipação, há outras formas de regulação?

Sim, além da coparticipação, podem ser utilizados os seguintes mecanismos de regulação:

Porta de entrada: a operadora determina que para o beneficiário utilizar-se da rede contratada (credenciada ou referenciada), deve primeiramente dirigir-se a um médico generalista, que será responsável por encaminhá-lo à especialidade necessária;
Autorização prévia: a operadora determina que para alguns procedimentos, o beneficiário deverá solicitar antecipadamente a autorização;
Direcionamento ou hierarquização do acesso: a operadora pré-estabelece quais são os prestadores que poderão realizar determinados tipos de atendimentos;
Franquia: é o valor estabelecido contratualmente até o qual a operadora não tem responsabilidade de cobertura, seja nos casos de reembolso ou nos casos de pagamento à rede referenciada ou credenciada.

A utilização de qualquer mecanismo de regulação dependerá de previsão contratual.

Planos Completos

Não poderá ser cobrado nenhum tipo de coparticipação.

Nessa hora o papel do Consultor/Corretor de vendas é fundamental, ele poderá te auxiliar qual a melhor opção dentro da sua necessidade.

Para as operadoras de planos de saúde as melhores opções sempre são os planos coparticipavos, sendo que para os usuários, nem sempre essa é a melhor opção. Antes de decidir devemos analisar as seguintes questões;

No geral, a primeira coisa a fazer é colocar tudo na ponta do lápis, é importante colocar a diferença de custo mensal e multiplicar por doze (01 ano), ai teremos a economia em um ano. Depois de feito isso, temos que fazer uma estimativa de utilização de consultas rotineiras, check-up e até mesmo atendimento de urgência, faça as contas dos valores da coparticipação que será pago.

Pronto, você já terá uma noção se vale a pena contratar um plano coparticipativo. Se a diferença for considerável, vale a pena contratar um coparticipavo, agora se a diferença for pequena, não convém correr o risco de gastar o um valor muito maior, sendo que a diferença da economia é fácil de fazer, mas não podemos prever o quanto iremos utilizar.

Exemplo: Vamos supor que o plano sem coparticipação custe R$ 200,00 mensais, enquanto o plano com coparticipação custe R$ 120,00 mensais.

Escolhendo o plano com coparticipativo, irá economizar R$ 80,00 por mês, economizando em 12 meses R$ 960,00.

Após calcular a diferença entre os planos, verifique os valores das consultas e exames simples. Se a consulta for R$ 30,00, e vc fizer apenas 12 consultas anuais, a melhor opção é o Plano coparticipativo.

Solicite Cotação com várias Seguradoras